Month: December 2017

Caminho para geração de novos vasos sanguíneos é encontrado por cientistas

Pesquisadores encontraram uma maneira nova de estimular o crescimento dos vasos sanguíneos originados dos vasos que o organismo já possui. A revista Nature Communications publicou um artigo sobre o assunto.

Ocorrências que trazem possibilidades de infarto e Acidente Vascular Cerebral são de extrema importância da pesquisa, pois as duas trazem às pessoas condições que causam a interrupção do fluxo sanguíneo por coágulo ou gordura, mais conhecido como isquemia.

A isquemia é um tipo de Acidente Vascular Cerebral, que ocorre quando há uma interrupção ou deficiência na circulação sanguínea causada por aterosclerose, que é um endurecimento da parede arterial, ou um coágulo vindo do coração. Ele causa dificuldade de movimentação do corpo, a perda da capacidade da fala e a perda da força nos membros como braços e pernas. Esses sintomas são repentinos e instantâneos.

Com essa descoberta, os novos vasos sanguíneos iriam beneficiar e restabelecer o fluxo de sangue no corpo.

Pesquisadores do Instituto Médico de Sanford Burnham Prebys, nos Estados Unidos, revelaram que a formação dos vasos funcionais precisam de uma ativação de uma proteína específica, a quinase AKT. Essa proteína é responsável por ativar uma outra chamada R-Ras.

Os cientistas foram liberados pelo pesquisador Masanobu Komatsu, que também ambiciona os vasos sanguíneos como funcionais. Outros pesquisadores fizeram o uso da proteína VEGF, a Vascular endothelial growth factor, para fazer uma estimulação no crescimento dessas estruturas. Porém, os testes clínicos não identificaram benefícios aos pacientes testados.

Eles fizeram uma comparação do CEGF com a nova estratégia e descobriram que o VEFG proporciona o crescimento dos vasos de forma desordenada e não funcional. A eficácia das duas terapias serão testadas nas próximas etapas.

A impressão em 3D de vasos sanguíneos também é uma realidade no tratamento de doenças vasculares que vem se modernizando ao longo dos anos. “Enquanto recriar partes pequenas de tecidos em laboratório é algo que já se faz, a possibilidade de imprimir tecidos tridimensionais com vasos sanguíneos que realmente funcionam em questão de segundos é uma virada no jogo”, disse um dos autores e pesquisador da Universidade de Sydney, o Dr Luiz Bertassoni.

 


Relembre os sucessos de Cassio Audi na banda de heavy metal Viper

O Viper alcançou o sucesso durante a década de 80, mas antes disso, o grupo começou a sua jornada quando o trio de amigos Felipe Machado, Yves Passarell e Pit Passarell, vizinhos na região de Santa Cecília, tiveram a ideia de formar uma banda de heavy metal. Antes de chegarem ao nome oficial, os amigos ainda tiveram outras ideias de nome como Rock Migration e Dragon.

Quando a banda conseguiu seus primeiros trabalhos para se apresentar em público, os três integrantes decidiram utilizar os cachês recebidos para investir na profissionalização do Viper, o que os levou a adquirir novos instrumentos e melhorar as técnicas do grupo. Paralelamente, eles também perceberam que faltava o som de um baterista talentoso na banda, o que os motivou a convidar o músico Cassio Audi para se juntar ao grupo.

Em 1984, a banda se destacou ao participar de um prestigiado festival de talentos, encerrando sua participação na terceira posição após apresentar duas músicas, uma de autoria própria e um cover do grupo Black Sabbath. Nessa mesma época, os integrantes do Viper, Cassio Audi, Yves Passarell, Felipe Machado e Pit Passarell, convidaram o cantor Andre Mattos a se unir a banda, para que logo depois eles assinassem o seu primeiro contrato com uma gravadora.

Após esse importante passo, a banda pôde gravar o seu primeiro trabalho em estúdio, o álbum “Soldiers of Sunrise”, que começou a ser vendido no ano de 1987. Nele, foram lançadas músicas de sucesso como “Knights of Destruction” e “Signs of the Night”, as quais agradaram ao público por terem refrões melodiosos e que ressaltavam as características sonoras do heavy metal.

Já no hit “Law of the Sword”, por sua vez, o talento musical do Viper foi muito bem explorado, em especial o do baterista Cassio Audi, que comandou a bateria com toques contagiantes ao longo de toda a canção. Desse modo, o álbum de estreia do grupo se saiu melhor do que o imaginado em termos comerciais, o que foi essencial para a trajetória da banda e possibilitou que os músicos firmassem um novo contrato com uma gravadora ainda maior, a Eldorado.

Até mesmo fora do Brasil, o Viper conseguiu conquistar uma legião de fãs em várias partes do globo, principalmente na Ásia e no Japão. Nesses locais, o grupo chegou a realizar uma turnê internacional de grande sucesso, que elevou as vendas do Viper e fez com que a banda superasse até mesmo o Nirvana no volume total de vendas. Esses fatores fizeram com que Cassio Audi, Andre Matos, Felipe Machado, Pit Passarell e Yves Passarell se destacassem imensamente no heavy metal mundial, se tornando referência desse estilo musical no país.

Nos dias de hoje, é notável que o Viper marcou a história do heavy metal brasileiro, se tornando um fenômeno musical até então nunca visto desse estilo no país. Para isso, o talento de Yves Passarell na guitarra e as batidas eletrizantes de Cassio Audi na bateria foram alguns dos fatores que determinaram o sucesso conquistado pela banda.


Com grandes investimentos e uma situação religiosa mais tranquila, a Arábia Saudita vai começar a liberar vistos para turistas

Há alguns dias, o governo saudita anunciou que a partir do ano que vem, vai começar a conceder vistos para turistas. No momento, ainda existem várias restrições para quem deseja entrar no país e precisa enfrentar processos longos e com várias exigências, não existindo uma autorização especial para aquelas pessoas que querem somente visitar o país.

De acordo com especialistas, investir em turismo é uma grande chance para o país para poder diminuir a sua dependência econômica referente ao petróleo.

O responsável pela Comissão de turismo e patrimônio nacional da Arábia Saudita, o príncipe Sultan bin Salman, declarou em entrevista que a meta do país é receber anualmente até 2030, cerca de trinta milhões de turistas. Atualmente o país recebe em torno de dezoito milhões de visitantes anualmente.

Esses visitantes que entram no território saudita, são muçulmanos que vão para os locais sagrados, e também os parentes próximos dos habitantes que residem na Arábia Saudita. Outros visitantes que recebem vistos para entrar no país, são aqueles que possuem assuntos de trabalho para tratar na Arábia Saudita.

Atualmente o país não é um destino procurado pelos turistas internacionais, já que existem as severas tradições religiosas e os assuntos relacionados à segurança no país, além de toda a burocracia. Mas o príncipe Mohammed bin Salman, declarou que diversas mudanças irão ser feitas, incluindo a situação religiosa mais moderada por parte do Islã, mudando totalmente a imagem que o país apresenta perante o mundo.

No ano que vem, o país deixará de ser o único território no mundo onde  as mulheres não podiam conduzir carros,  além de também terem recebido permissão de frequentar arenas esportivas.

O país possui diversas paisagens maravilhosas, um clima muito ameno, uma vasta herança cultural e monumentos históricos, que mostram que o território saudita apresenta um grande potencial turístico para ser explorado, fazendo com que o governo mostre interesse em fazer grandes investimentos em um futuro bem próximo.

Entre esses investimentos estão uma outra unidade do parque temático Six Flags, que está previsto para inaugurar em 2022 e a construção de resorts, em locais próximos do Mar Vermelho. O príncipe anunciou há pouco tempo que existem projetos para a construção de uma cidade do futuro, que irá se chamar Neom, onde vários robôs irão fazer parte. Essa cidade irá atrair os milionários do planeta e precisará de um investimento em torno de US$ 500 bilhões.

 


Pessoas que nunca tiveram dengue não podem se vacinar contra a doença

O laboratório fabricante da vacina, Sanofi-Aventis, sugeriu que pessoas que nunca tiveram dengue devem evitar a vacina, pois podem desenvolver uma forma mais agravada da doença, informou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa. A vacina não está inclusa no Programa Nacional de Imunizações e foi aprovada no país em dezembro de 2015.

A suspeita do laboratório ainda não é comprovada, mas a Anvisa recomenda que a vacina não deve ser tomada por pessoas que nunca tiveram contato com o vírus e esclarece também que a vacina não é capaz de desencadear um quadro mais grave da doença ou fazer com que os sintomas apareçam de forma espontânea. Para que isso ocorra é necessário que a pessoa seja picada por um mosquito contaminado. Pessoas soronegativas têm a possibilidade de desenvolver um quadro mais agudo da doença se forem picadas após receberem o medicamento. “Uma pessoa pode contrair a doença por 4 vezes ao longo de sua vida”, explica a diretora médica da Sanofi no Brasil, Sheila Homsani.

A Anvisa estudará os dados completos enquanto a bula da vacina é atualizada pelo fabricante. A vacina chamada de Dengvaxia é a única com aprovação no país. Ela é indicada na imunização de quatro subtipos do vírus. Para as pessoas que já tiveram contato com o vírus da dengue a vacina promete ser favorável. “A dengue é uma doença complexa e as pessoas têm maior probabilidade de contrair a forma grave após uma infecção secundária de um subtipo diferente do vírus.” disse Sheila.

Em comunicado, a Anvisa disse que este risco não tinha sido identificado durante os estudos que foram apresentados para registrar a vacina na população que ela foi aprovada. A Agência informou também que anteriormente os registros eram realizados com os efeitos das imunizações em mais de 40 mil pessoas no mundo inteiro, segundo os padrões de pesquisa da Organização Mundial da Saúde.

Os casos de dengue no país tiveram uma redução de 84% em comparação ao mesmo período do ano passado informou o Ministério da Saúde com base nos dados do boletim epidemiológico. No caso de Zika a redução foi de 92% e chikungunya a redução foi de 34%.


O que muda no Bradesco com a saída de Cappi da presidência

Desde outubro quando Lázaro Brandão renunciou ao cargo de presidente do conselho administrativo o Bradesco procura por um novo presidente executivo, posto ocupado por Luiz Carlos Trabuco Cappi. A instituição vai escolher dentro do seu corpo de executivos um nome até março de 20118, quando ocorre a assembleia para definir questões referentes ao conselho de administração do banco.

O que mudou nas lideranças do banco?

A “dança das cadeiras” está seguindo desta forma: Luiz Carlos Trabuco Cappi atualmente está ocupando o cargo deixado por Lázaro Brandão e o de presidente-executivo, o qual está desde 2009. Quando for eleito um novo presidente, o executivo ficará apenas com a presidência do conselho administrativo, tendo em vista que uma regra interna não permite o acúmulo de duas funções.

Lázaro de Mello Brandão seguirá como presidente do conselho das empresas controladoras do banco. Ele afirmou que a iniciativa de sua renúncia partiu dele, em virtude de uma renovação no quadro de lideranças da instituição. O executivo também ressaltou a importância do próximo CEO do banco em buscar inovar e se adaptar aos processos tecnológicos.

Brandão ressaltou o nome do novo presidente deve ser submetido ao Banco Central trinta dias antes de ser aprovado na assembleia. Atualmente com 91 anos, o banqueiro ingressou na instituição em 1942, quando ainda se chamava Casa Bancária Almeida & Cia.

Ao longo desses mais de 75 anos dedicados ao Bradesco, ele passou do cargo de escriturário ao de presidente executivo, posto conquistado em 1981. Na ocasião substituiu o fundador do banco, Amador Aguiar. Em 1989 passou para a presidência do conselho administrativo.

O que pensa Luiz Carlos Trabuco Cappi?

Trabuco disse em entrevista que o banco tem total condições de escolher seu sucessor dentro do corpo executivo em um processo que ele classificou como normal e rotineiro. “A Organização fez um trabalho forte de desenvolvimento de executivos, disse o executivo, que completou afirmando que o nome ainda não foi escolhido, mas pode ser anunciado antes da assembleia de março.

Para Luiz Carlos Trabuco Cappi o Bradesco tem uma grande responsabilidade com o país, daí a necessidade de uma escolha que dê continuidade a “administração contínua e permanente do banco.” Ele acredita que “o Brasil vai passar por um processo de mobilidade social” em que mais pessoas conseguirão prosperar e o banco vai aproveitar esse bom momento. “Temos uma visão otimista em relação ao futuro,” ressalta.

Atualmente com 66 anos, Luiz Carlos Trabuco Cappi chegou ao banco em 1969 e passou por diferentes áreas como previdência, seguros e também foi vice-presidente até chegar a presidência executiva. Em 2015 conduziu a compra da filial brasileira do HSBC por U$ 5,2 bilhões, no que seria a maior transação econômica do país naquele ano.

Nos últimos meses à frente do segundo maior banco nacional privado adotou medidas que visam aumentar os processos tecnológicos do banco, em especial a “alfabetização digital” dos clientes para que passem a utilizar mais os recursos digitais do banco, como o Next, plataforma para o acesso a contas, investimentos e etc.

 


Uma espécie de tarântula azul e mais trinta outras novas espécies foram descobertas por pesquisadores na Guiana

as suas patas da cor azul. Por apresentar essa característica, a espécie é diferente da maior parte das  tarântulas,  que possuem a cor marrom. De acordo com os pesquisadores, essa tarântula azul faz parte da família Theraphosidae e eles afirmam que é necessário preservar a abundante biodiversidade encontrada nas florestas tropicais. Essa descoberta foi divulgada em um estudo da ONG internacional chamada WWF (World Wildlife Foundation), e ainda outras trinta espécies foram descobertas nesse mesmo país.

O Brasil tem fronteira com a Guiana através de dois estados, sendo que umas grandes extensões das florestas da Guiana dividem espaço com a floresta amazônica brasileira. Para os especialistas, a nova espécie de aranha deve ser nativa da Guiana e eles acreditam que ela não existe em nenhum outro lugar do planeta.

Andrew Snyder, que é biólogo da WWF, escreveu que o local montanhoso onde ocorreram os estudos, retrata uma área de transição significativa para espécies que vivem entre os locais mais altos e os mais baixos, sendo caracterizada

por altos índices endêmicos para diversos grupos taxonômicos. O biólogo acabou descobrindo essa espécie de tarântula por acaso, quando passou a noite em uma região central do país, no Parque Nacional de Kaieteur.

O biólogo e o seu grupo de pesquisadores, além da nova espécie de aranha, descobriram uma nova espécie de sapo, quinze besouros aquáticos, três novas plantas, dois peixes, cinco libélulas, um camarão, um caranguejo e algumas outras espécies. É nesse parque onde são encontrados mais de 50% dos pássaros, 30% dos mamíferos, 40% dos odonatos e 43% dos anfíbios, que vivem em todo o país.

O biólogo contou que a descoberta da tarântula azul foi totalmente por acaso, e aconteceu quando em uma noite a luz da sua lanterna refletiu um brilho azul, que saía de um tronco meio estragado. Quando ele avistou melhor a aranha, ele percebeu que ela era diferenciada de todas as outras espécies que ele já havia visto. Quando ele observou o tronco mais detalhadamente, ele viu que possuía vários orifícios e abrigava uma aranha em cada um deles, o que pode significar que elas devem estar vivendo em pequenos grupos.

Outros estudos devem ser realizados para entender melhor os costumes desses animais, e existe a necessidade da preservação dessas espécies de invertebrados no país.

 


EUA comandam ataques aéreos contra o EI na Somália

Os Estados Unidos comandaram no início do mês de novembro os primeiros ataques aéreos contra as forças do Estado Islâmico que estão na Somália. Segundo informações oficiais das forças militares norte-americanas, vários terroristas foram mortos durante a ação.

O comando responsável pela África no Pentágono declarou que foram realizados dois ataques aéreos, o primeiro deles à meia noite, em horário local, do dia 3 de novembro, e o segundo às 11 horas da manhã.

Além de informar que vários terroristas morreram, os militares dos Estados Unidos também declararam em comunicado oficial que esses ataques foram administrados e comandados juntamente com o governo da Somália.

Nos últimos meses, o Estado Islâmico tem convocado recrutas no país, apesar de muitos especialistas no tema afirmarem que o grupo terrorista não tem muita força nessa região e que a principal ameaça na Somália permanece sendo o grupo Al Shabaab.

Em outubro de 2017, um grupo aliado ao Estado Islâmico conseguiu tomar o controle de uma pequena cidade portuária que fica na região de Puntland, na Somália. A ação foi o bastante para gerar preocupação internacional acerca de uma possível influência crescente do grupo terrorista no país.

Esse grupo aliado ao Estado Islâmico se denomina como rival do Al Shabaab, o qual, por sua vez, tem ligação com a Al Qaeda, que é um dos maiores oponentes do Estado Islâmico. Há alguns anos, o Al Shabaab teve controle sobre uma grande parte da Somália.

Nas últimas semanas, o califado autoproclamado pelo Estado Islâmico em regiões da Síria e do Iraque  sofreu duras derrotas,  o que pode indicar o princípio do fim do controle que o grupo terrorista exerce na região há alguns anos. Em seu auge, o Estado Islâmico chegou a ter o domínio de cidades com milhões de habitantes.

Atualmente, o grupo está reduzido ao domínio de uma cidade na fronteira da Síria, um vilarejo nas margens do rio Eufrates, no Iraque, e algumas áreas desérticas nos arredores. Desse modo, alguns analistas se preocupam com a possível transferência de poder do grupo para outras regiões, como é o caso da Somália, no continente africano.

 


Relatório divulga atualizações do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico

O CMSE – Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico, divulgou o último relatório que demonstra as atuais condições do setor eletroenergético do país, após reunião com membros do colegiado no dia 9 de novembro de 2017. O objetivo desta reunião foi tratar dos principais pontos ligados ao abastecimento de energia elétrica em todo o território nacional.

Com relação às previsões meteorológicas, o ONS – Operador Nacional do Sistema Elétrico enfatizou as condições negativas de precipitação que ainda permanecem nas principais bacias ligadas ao acúmulo e reserva do SIN – Sistema Interligado Nacional. As bacias são: Paranaíba, São Francisco, Grande e Tocantins. Na contramão dos dados negativos, as bacias dos rios Paranapanema, dos rios da região Sul e do Tietê, demonstraram resultados melhores.

Segundo a última reunião do Grupo de Trabalho MCTIC/MME sobre a Previsão Meteorológica Estendida, as estimativas das condições meteorológicas a curto prazo para a região Sul do país são negativas, e para a região Central são positivas. Estima-se para as próximas semanas, redução dos volumes pluviométricos para toda a região Central do país, podendo estar abaixo da média histórica. Os modelos de previsões BESM e GFS, relatam estimativas dentro dos próximos 30 dias, e na última estimativa, indicaram que ainda ocorrerão as precipitações recorrentes na região Central do país, deixando o volume abaixo da média histórica.

Segundo a avaliação do ONS, mesmo com as estimativas de melhorias nas condições meteorológicas nas bacias dos rios, Paranaíba, Tocantins, Grande e São Francisco, que juntas respondem por 80% da capacidade do complexo de abastecimento do SIN, permanecem com as ENA – Energias Naturais Afluentes, que tendem a ser inferiores às MLT – Médias de Longo Termo a curto prazo.

Ao contrário disso, houve melhoras na ENA relacionadas com o subsistema Sudeste/Centro-Oeste, superando as expectativas de armazenamento em 4% lançadas na reunião passada do CMSE. As decisões tomadas nesta reunião foram de não optar pela utilização das termelétricas fora da ordem de mérito, que passaram a ser contadas a partir do dia 11 de novembro de 2017. Conforme sua competência legal, o monitoramento realizado pelo CMSE continuará sendo feito e todas as decisões cabíveis serão tomadas com base nas avaliações das condições de abastecimento eletroenergético em todo o país.


Vídeo da Samsung traz alfinetadas na Apple

O iPhone X já teve as suas vendas iniciadas nos Estados Unidos, com o movimento que esse lançamento está trazendo ao mercado, o marketing da Samsung também está com força total para tirar sarro da Apple.

Nas redes sociais da sul-coreana Samsung, um vídeo foi publicado no dia 5 (domingo) alfinetando os defeitos que a Apple tem que fizeram os seus usuários passar por situações no mínimo desconfortáveis. No vídeo, a Samsung recomenda os consumidores a se atualizarem para a linha Galaxy.

Na propaganda, o vídeo mostra o jovem protagonista do comercial passando por uma fila que seria para comprar o iPhone em 2010. Depois de tentar tirar uma foto o rapaz recebe a mensagem no seu celular de que não existe mais espaço na memória, em contrapartida os celulares da concorrente Samsung permitem o uso de cartão de memória.

Em 2013, o rapaz que continua com o dispositivo da Apple consegue anotar na pequena tela (com o tamanho máximo de 4 polegadas) do seu celular o número de telefone de uma garota, enquanto ela usa a sua caneta para escrever no Galaxy Note com uma tela gigante.

Numa chuva impertinente o rapaz teve que ficar na fila para esperar o novo lançamento do iPhone no ano de 2015. No seguinte ano, o rapaz cai com o iPhone em um lago e precisa colocar no arroz para secar, enquanto a garota que caiu com ele na água consegue sair com o aparelho ligado que está de acordo com a certificação IP68, que define o tempo limite de resistência debaixo da água em 30 minutos.

A comparação mais atual entre os aparelhos da Apple e da Samsung tem a data desse ano de 2017 no vídeo. A maior das surpresas para o carregamento do iPhone 7 enquanto se pretende ouvir música é a necessidade do uso de um adaptador.

Nos últimos momentos do vídeo, o personagem que era consumidor ávido da Apple passa pela fila do lançamento do iPhone e presencia poucas pessoas esperando a novidade. Depois de tudo o jovem decide mudar o seu aparelho para um Galaxy Note 8. Até o momento a Apple não fez investidas de marketing desse tipo