Month: November 2017

Tenista Rafael Nadal participa de campanha da operadora Vivo

número 1 do ranking ATP – Associação de Tenistas Profissionais, Rafael Nadal. Com o posicionamento “Viva Menos do Mesmo”, a operadora lançou dois vídeos em que Nadal aparece como ícone de sonhos e conexões que influenciam diversas histórias de meninos e meninas no mundo todo.

Através do lúdico universo criado pelas crianças, os novos filmes lançados pela Vivo tenta reforçar a ideia de que é preciso viver experiências novas. Criado e produzido pela agência de publicidade Africa, os dois vídeos que levam o nome da Vivo conta a história de um menino e uma menina com uma mensagem de sonhos e conexões capazes de transformar histórias.

O primeiro filme da série lançada pela Vivo se chama “Bola Imaginária”, e conta a história de um menino que passa vários momentos de sua vida assistindo a partidas de seu grande ídolo, Rafael Nadal. Nesses momentos, o menino sempre se vê segurando uma bolinha de tênis imaginária com as mãos. O filme segue para uma final de campeonato em que Nadal vence e atira a bolinha de tênis para o público, onde o menino observa e inconscientemente faz o movimento de pegar a bolinha imaginária. A cena termina com o menino de olhos fechados sonhando com um dia ter de fato a bolinha em sua mão. Ao final do vídeo a seguinte frase é destacada: “Viva menos os limites e mais os sonhos”.

No segundo vídeo, que também tem a participação de Rafael Nadal, a história contada é de uma menina dedicada e inspirada por Nadal a aprender a falar espanhol. O vídeo que leva o nome de “Espanhol”, mostra a trajetória de uma menina que se dedica dia após dia a aprender o idioma através de uma conexão de internet via computador, tablet e celular. No vídeo, a menina treina a expressão “Hola que tal” todos os dias, com o objetivo único de poder ver seu grande ídolo em um campeonato. No estádio, a menina fica cara a cara com o tenista que a surpreende dizendo: “Olá, tudo bem?”. A assinatura do vídeo diz o seguinte: “Viva mais a surpresa e menos o planejado”.

 


Conheça a mais recente descoberta sobre uma das maiores pirâmides egípcias

Os mistérios do Egito sempre despertaram o interesse da comunidade científica mundial, mas uma recente descoberta tem intrigado ainda mais os cientistas. Trata-se de uma cavidade gigantesca no interior de Quéops, uma pirâmide que também é chamada de Grande Pirâmide de Gizé.

A natureza da tal cavidade ainda é desconhecida, o que gerou especulações acerca do real motivo de sua existência. O que se sabe até o momento, é que pelos trajetos convencionais não é possível chegar até ela.

O anúncio da descoberta foi feito após um estudo de dois anos realizado por cientistas da França e do Japão. As pesquisas contemplavam as pirâmides localizadas na região compreendida pelo Cairo, sobretudo as de Gizé.

Os pesquisadores empregaram a muografia, uma técnica bastante utilizada no estudo de atividades vulcânicas que consegue realizar a detecção de alterações no interior de formações compostas por rochas.

Historiadores estimam que a construção estudada tenha sido construída por volta do ano 2.509 a.C.. Como a estrutura da pirâmide é muito antiga, a data pode ter uma margem de variação, algo que faz com que os cientistas estendam o período até 2.483 a.C..

Dentre as pirâmides do local, a analisada é tida como a maior de todas, uma vez que possui 146 metros de altura. De acordo com o que alegam os pesquisadores, ela foi erguida enquanto Queóps governava o Egito.

Composta por três câmaras existentes em sua parte interior, a pirâmide conta ainda com diversas passagens. Há também uma galeria extensa com 8 metros de altura e 47 de comprimento.

A descoberta em questão localiza-se justamente acima da grande galeria e apresenta dimensões bastante similares às dela. Segundo Mehdi Tayoubi, representante do HIP, um instituto parisiense que participou do estudo, ainda há vários pontos que não foram esclarecidos, como por exemplo, se a cavidade está inclinada ou localizada na horizontal.

Tayoubi também explicou que não se sabe se existem estruturas de mesma natureza no interior da construção egípcia. O pesquisador ressaltou o caráter impressionante do que foi descoberto, pois o feito nunca fora previsto pelas teorias que existem na atualidade.

Saiba mais:

https://www.terra.com.br/noticias/ciencia/nova-cavidade-misteriosa-e-descoberta-dentro-da-grande-piramide-de-gize,f394e831f7b942bf1e374aead59281c3h9qa2xq2.html

 

 


Cientistas descobrem nova espécie de orangotango na Indonésia

Resultado de imagem para nova espécie orangotango

Foi descoberta uma nova espécie de orangotango no norte da Sumatra, na Indonésia. Os especialistas a batizaram de Tapanuli (Pongo tapanulienis) e o achado aumenta para três as espécies conhecidas desse tipo animal.

O estudo foi publicado recentemente na revista americana Current Biology e se firma como a primeira nova espécie confirmada pela ciência desde 1929, com a descoberta de um bonobo na República Democrática do Congo.

Em 1997, pesquisadores da Universidade Nacional Australiana já investigavam traços de uma nova espécie de orangotangos em uma população isolada na região de Batang Toru. Mas apenas em 2013, com a observação de um esqueleto de um orangotango macho adulto morto por aldeões, os cientistas puderam examinar que os dentes e o crânio desse animal tinham traços únicos em relação a outros orangotangos conhecidos.

“Ficamos surpresos ao ver que as características do crânio eram muito diferentes do que conhecíamos até agora destes grandes símios”, disse Matt Nowak, primatologista e supervisor do Programa de Conservação de Orangotangos de Sumatra.

Os biólogos envolvidos na pesquisa estimam que a população desses novos orangotangos tenha cerca de apenas 800 indivíduos, o que aumenta em muito o risco de sua extinção.

“Sem as medidas rápidas para proteger seu hábitat florestal, que diminui rapidamente, estes orangotangos poderiam desaparecer em poucas décadas”, explica Nowak.

De acordo com os dados oficiais, o habitat natural dos orangotangos de Sumatra teve uma diminuição de 60% devido à mineração, cultivos agrícolas e exploração florestal na região. Os grandes símios também são vítimas da caça ilegal. Os orangotangos medem cerca de 1,10 a 1,40 metros e pesam por volta de 70 quilos. Chegam a viver até 40 anos, mas se reproduzem com dificuldade.

O habitat natural dos agora conhecidos orangotangos Tapanuli está limitado atualmente a apenas mil quilômetros quadrados. Mesmo com as preocupações pela conservação da nova espécie e de outros símios no local, a descoberta foi comemorada pela comunidade científica.

“Não é todos os dias que se encontra uma nova espécie de grandes símios, esta descoberta é muito emocionante”, conta Michael Krutzen, da Universidade de Zurique, na Suíça.

 


A população de insetos tem diminuindo drasticamente e isso é ruim

Pesquisa aponta que nos últimos 25 anos a população de insetos voadores foi reduzida em 75%. Essa redução não é algo bom para o meio ambiente, podendo desencadear um “apocalipse ecológico”, impactando profundamente a sociedade humana.

O estudo foi publicado no Plos One e tem como base o trabalho de dezenas de entomólogos amadores e profissionais desde 1989. São pessoas que realizaram um trabalho sério e se utilizam de padrões rigorosos para a coleta de insetos.

A análise permitiu chegar a conclusão de que no período de 27 anos, houve uma queda de 76%, e no verão chega a 82%. A pesquisa ainda estudou o padrão de moscas e vespas, que são raramente estudadas.

Segundo Caspar Hallmann, professor da Universidade Radbound na Holanda, explica que o cenário é preocupante, principalmente quando se constatado o fato de que 100% das amostras foram coletadas em áreas de proteção ambiental, “E ainda assim este grande declínio ocorreu”, diz.

Entre as suspeitas dos cientistas a respeito das causas da diminuição no número dos insetos estão as mudanças climáticas e o uso desenfreado de pesticidas.

O pesquisador da Universidade Radboud, Hans de Kroon, acredita que a situação seja alarmante. Já o professor Dave Goulson, da Universidade Sussex, na Inglaterra, afirma que “parece que estamos tornando inóspitos grandes pedaços de terra para diversas formas de vida”. Para o professor, estamos caminhando para um apocalipse ecológico, tendo em vista que se os insetos se extinguirem, todo o resto entrará em colapso.

Durante os estudos também foram coletados dados referentes ao clima, mas nem mesmo esses dados explicam a diminuição drástica na população de insetos. “O clima pode até explicar as muitas flutuações dentro de uma estação climática e entre os anos, mas não explica este rápido declínio”, comenta Martin Sorg, presidente da Sociedade Entomológica da Alemanha.

Há um consenso entre os cientistas para a necessidade de estudar a vida dos insetos em outras regiões e explorar a situação com mais atenção. Há uma grande importância ecológica nos insetos voadores. Eles polinizam flores, são alimento para animais maiores e são capazes de controlar pragas, explica a pesquisadora Lynn Dicks, da Universidade de East Anglia.

 


Felipe Montoro Jens reporta sobre as licitações para a iniciativa Piauí Conectado

No último mês de agosto, a Agência de Tecnologia da Informação (ATI) do Piauí, através da Superintendência de Parcerias e Concessões (Suparc) e da Secretaria de Estado da Administração e Previdência (Seadprev), criou a licitação para a instauração das ações da iniciativa Piauí Conectado, a qual já fornece pontos de conexão gratuitos na capital Teresina e em outras oito cidades.

A ação representa uma concessão administrativa para a criação, o manuseio e a manutenção de uma estrutura de transporte de dados, que incluem diversos serviços oferecidos por diferentes órgãos do governo estadual, noticia Felipe Montoro Jens, especialista em Projetos de Infraestrutura.

O objetivo do Governo do Piauí é aumentar a atual rede de dados do estado, através da utilização de cerca de cinco mil quilômetros de fibra óptica em quase 100 municípios da região, além de utilizar essa estrutura para auxiliar na modernização de outras cidades. Com essa ação, o intuito é conseguir levar internet para toda a população do estado até o final do ano de 2019. Dessa forma, também será possível aprimorar a conexão de estabelecimentos públicos como universidades, escolas, hospitais e demais locais administrados pelo governo, reporta Felipe Montoro Jens.

Esse projeto faz parte do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), divulgado no final de 2015, o qual foi alvo do interesse de duas corporações, as quais se comprometeram a apresentar os seus estudos para a viabilização do projeto. Estas empresas foram a Globaltask Tecnologia e a Gestão S.A., e a vencedora irá ser aquela que propor a melhor solução, levando em conta o equilíbrio entre o preço e os aspectos técnicos.

O prazo máximo para a apresentação das propostas foi o dia 19 de outubro. A partir de então, estima-se que a empresa escolhida seja contratada oficialmente até o final do ano, informa Felipe Montoro Jens. A criação de uma Parceria Público Privada (PPP) para essa finalidade é uma novidade no Brasil, tendo sido essa a primeira com esse intuito. No ano de 2012, a cidade de Belo Horizonte chegou a realizar uma consulta pública acerca de uma PPP semelhante, mas o o projeto não foi adiante.

Criado através da Lei nº 11.079, do ano de 2004, que estabeleceu as regras gerais para a formação e a licitação das Parcerias Público-Privadas (PPPs) em conjunto com o setor público, o contrato desse estilo de parceria é uma ótima opção para que o governo melhore os seus serviços e a sua infraestrutura, noticia o especialista em Projetos de Infraestrutura, Felipe Montoro Jens.

Desse modo, as Parcerias Público-Privadas se destacam como um potente instrumento para o serviço público, sendo uma solução para a modernização da infraestrutura social dos municípios brasileiros. Por ter a experiência e a capacidade necessária para investir nesses projetos, o setor privado pode contribuir cada vez mais para a redução do déficit de estrutural do país, principalmente nas áreas da mobilidade urbana, saúde e saneamento básico, reporta o especialista Felipe Montoro Jens. Esse conjunto de razões tem feito com que esse modelo de parceria se torne cada vez mais comum em todo o Brasil.

 


As novas projeções demográficas da ONU mostram a população do planeta em 2030

concluíram que o número de pessoas no mundo poderá alcançar 8,6 bilhões até o ano de 2030. Será um crescimento populacional de cerca de um bilhão de pessoas, em apenas treze anos. A ONU atualizou essas projeções, que já tinham sido apontadas no relatório divulgado em 2015.

A ONU também fez cálculos em relação ao crescimento até o ano de 2050, que a organização espera que chegue a 9,8 bilhões pessoas. Já para o ano de 2100, a expectativa é de que haja no mundo cerca de 11,2 bilhões de pessoas.

Mais de 50% do crescimento esperado no mundo estarão centralizados entre a Índia, República Democrática do Congo, Nigéria, Etiópia, Indonésia, Estados Unidos, Uganda, Paquistão e Tanzânia.

A Nigéria é o país em que o ritmo de crescimento populacional é a mais intensa, entre as dez nações mais populosas do planeta. A Nigéria hoje é o sétimo país com a maior população mundial, podendo passar os Estados Unidos até 2050 e se tornar o terceiro maior em população.

As avaliações da ONU ainda mostram que o Brasil, terá um crescimento populacional mais devagar por conta das taxas de fertilidade, que diminuíram em quase todos os países do planeta. O país ficou entre os dez países com menores taxas de fertilidade, relacionadas ao nível de reprodução no período que vai de 2010 a 2015.

A Índia que atualmente possui quase 20% da população global, nos próximos sete anos ela terá provavelmente ultrapassado a população da China, se tornando  o país com o maior número de habitantes do mundo.

A população mundial continua crescendo, mas seguirá de forma mais devagar nos próximos anos, devido à diminuição da taxa de fertilidade em quase todos os países, até mesmo na África, que possui taxas bem altas.

Nos últimos anos o continente europeu foi o único em que o número de filhos para cada mulher, vem apresentando um pequeno aumento. Mesmo com essa situação, a Europa vai ser a única que terá uma diminuição de habitantes nos próximos treze anos.

Nesse mesmo período, a população africana irá crescer e passar de 1,256 bilhão para 1,7 bilhão. O continente asiático também apresentará um aumento populacional, passando de 4,5 bilhões para quase 5 bilhões de habitantes.

 


Enem que conta com aproximadamente 6 milhões de candidatos, já oferta vagas para universidades no exterior

A edição do Exame Nacional do Ensino médio deste ano contará com a presença de aproximadamente 5.9 milhões de participantes, hoje não restam dúvidas de que o exame se tornou o maior meio de entrada as universidades do país. Antes do Enem cada instituição fazia o seu próprio vestibular, o que deixava essa fase da vida do estudante muito burocrática e dispendiosa, para quem não tinha o perfil de isenção para cada vestibular tinha que pagar uma taxa de inscrição. Além disso, ele também abriu margem para aqueles alunos que desejam estudar em universidades particulares nas precisam de algum desconto nas mensalidades, de acordo com o seu desempenho, é possível conquistar bolsa de até 100%.

Através do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), mais de 220 mil vagas foram supridas no inicio deste ano, concurso contou com a participação de mais de 2,4 milhões de candidatos. Já na edição que aconteceu no meio deste ano, mais de 880 mil alunos concorreram as 52 mil vagas oferecidas.

“Não tem como questionar. O ENEM se tornou a principal forma de ingressão às universidades. Hoje podemos dizer que é a prova principal do país. Se o estudante souber usá-lo a seu favor, não terão problemas. Basta estar antenado quanto aos períodos de inscrição, que terão muitas oportunidades”, afirma Edmilson M. (Coordenador Geral do Grupo Etapa).

Quando o Enem começou, sua função era avaliar o desempenho das escolas de ensino médio do país, para que assim pudesse melhorar o ensino. Em 1998, o exame teve sua primeira edição, que contou apenas com a participação de 148 mil alunos. Em 2005, quando o exame se vinculou ao Prouni, a importância da prova cresceu muito.

As melhores instituições de todo o país usam o exame como forma de ingresso e sua vantagem principal é o fato de ser uma única prova, dividida em duas etapas, que habilita ao aluno escolher diversas opções de faculdade.

O ENEM também permite o acesso a universidades estrangeiras, como em Portugal e no Canadá pela The University of British Columbia (UBC).

“Geralmente os alunos optam por Portugal, pois o país aproveita bem a nota do exame. As inscrições geralmente abrem em janeiro, mas é preciso estar bem atento.”, ressalta Edmilson


Luiz Carlos Trabuco Cappi comenta sobre o novo presidente do Bradesco

Em entrevista realizada na sede do banco Bradesco, Lázaro Brandão falou publicamente sobre a razão de ter renunciado ao cargo de presidente do conselho administrativo da instituição no último dia 10 de outubro. Aos 91 anos de idade, ele será substituído na função pelo presidente executivo da empresa, Luiz Carlos Trabuco Cappi.

Brandão assumiu o cargo de presidente do conselho no ano de 1990, em substituição ao fundador da empresa, Amador Aguiar. Sobre o futuro, ele ressalta que o avanço tecnológico representa um grande desafio, tanto pela modernização e criação de novas plataformas digitais, como pela importância de garantir que os correntistas acompanhem esse conjunto de mudanças.

O principal foco da instituição, segundo ele, continuará sendo o varejo doméstico, e um exemplo de como o banco prioriza esse setor foi a aquisição do HSBC, uma operação feita em um período não tão favorável economicamente, mas que rendeu ao Bradesco uma ótima projeção, de acordo com Lázaro Brandão.

Segundo Luiz Carlos Trabuco Cappi, Brandão foi extremamente importante durante a trajetória da instituição bancária, sendo um dos grandes nomes do time que levou o Bradesco ao que é nos dias de hoje. Para ele, o sucesso da empresa está no fato dela ter se saído vitoriosa em cada etapa da história econômica do país.

Sobre a mudança na presidência executiva do banco, Luiz Carlos Trabuco Cappi destacou que a escolha do novo presidente será feita de maneira natural a partir do corpo de executivos da instituição. Até o momento, o futuro candidato ao cargo ainda não foi escolhido, mas essa escolha será feita até o mês de março de 2018, quando irá ocorrer a próxima assembleia dos acionistas.

Entre as características inerentes do próximo presidente, o executivo destaca o espírito de liderança e uma visão clara sobre o futuro, sem desconsiderar a importância do trabalho realizado pela empresa no presente. Além disso, a instituição não está procurando por alguém que transforme o que vem sendo feito até agora, e sim um nome que dê continuidade e acrescente sua experiência profissional na liderança da empresa.

De acordo com Luiz Carlos Trabuco Cappi, outra pauta com previsão para ser debatida na assembleia de acionistas do banco é a possibilidade de acrescentar novas cadeiras ao conselho administrativo, o qual ficará com um representante a menos com a saída de Lázaro Brandão.

A possibilidade mais provável é de que o número do colegiado aumente em mais de uma unidade, além de preencher a vaga disponível. Os profissionais escolhidos para fazer parte do colegiado virão dos quadros internos do banco, seguindo a tradição da instituição.

Ainda segundo Luiz Carlos Trabuco Cappi, existem muitas discussões em pauta atualmente sobre a melhor formatação de conselhos administrativos ao redor do mundo. Nos bancos norte-americanos, por exemplo, defende-se que o presidente executivo também seja o líder do conselho. Contudo, apesar de estar adotando esse modelo temporariamente, esse formato não é o mais adequado na visão da instituição e por essa razão, um novo nome está sendo pensado para o cargo de executivo-chefe.