Month: March 2017

Valorização do mel na Nova Zelândia aumenta o roubo de colmeias

Mel (2)_17132_39139

O preço elevado do mel na Nova Zelândia, fez com que criminosos começassem a roubar e negociar as abelhas produtoras de mel. O crime aumentou muito com a disparada do preço do alimento produzido pelas abelhas no país, segundo os apicultores e a polícia do país, o crime está sendo realizado por grupos de crime organizado.

Somente de agosto de 2016 até janeiro de 2017, foram registrados 400 furtos de colmeis ou mesmo de mel pela polícia. As autoridades divulgaram os números no início do ano em um comunicado aos apicultores. Segundo a polícia, a situação é alarmante no caso dos roubos e eles estão trabalhando para combater o crime.

Alasdair MacMillan, sargento da polícia de Nova Zelândia, afirmou em entrevista: “Não há nada que indique, a essa altura, que os roubos de colmeias ou mel estejam ligados diretamente a uma quadrilha em particular, mas acreditamos que esses delitos sejam organizados e provavelmente estão sendo realizados por grupos

A alta desses crimes ocorreu justamente quando o mel passou a ser mais valioso no país, portanto as autoridades alegam que o preço mais elevado do mel fez com que os criminosos passassem a se interessar pelo produto. Segundo informações da indústria de mel, as exportações do produto tiveram um aumento de 35%, o que equivale a 219 milhões de dólares no ano passado até o mês de junho. O Ministério da Indústria Primária afirmou que pouco mais de 30% da produção foi vendida para Hong Kong e para a China.

O mel nativo da Nova Zelândia, chamado de manuka, teve um aumento três vezes maior que o esperado desde o ano de 2012, por essa razão os apiários de toda a região confirmaram que os roubos se intensificaram a partir do momento que o mel começou a ser valorizado. O diretor-gerente da Haines Apiaries de Kaitaia, Bruce Robertson, disse: “Está frequente. O mel está supervalorizado, é absurdo. Comprar e vender colmeias está rendendo um dinheiro fácil”.

O produto teve uma alta valorização por sua riqueza em propriedades antibactericidas e por seu sabor acentuado. Um quilo do mel manuka rende 148 dólares para os neozelandeses. Uma única colmeia chega a valer em média 2 mil dólares na Nova Zelândia.

Os apicultores estão investindo em equipamentos de segurança para proteger as suas colmeias e os produtos já extraídos. Robertson informou em entrevista que já investiu cerca de 5 mil dólares só com equipamentos de segurança, logo após saber que duas de suas 3 mil colmeias tinham sido roubadas regularmente ao longo da semana.

Para combater o crime, a polícia se aliou a entidade Apicultura da Nova Zelândia e também ao Ministério da Indústria Primária. Eles afirmaram que essa união de forças tem o objetivo de aprimorar as técnicas já utilizadas para a investigação dos crimes, além de auxiliar no acompanhamento de dados e monitoramento das colmeias espalhadas pelo país.

 


No MS grife em presídio gera lucro

A grife que recebeu o nome “D’Cela”, surgiu no município de São Gabriel do Oeste, no interior de Mato Grosso do Sul. O projeto reuniu um grupo de presas da casa de detenção feminina que aprenderam a costurar profissionalmente na intenção de terem algum tipo de formação para trabalhar ao serem libertadas. As peças produzidas estão sendo vendidas nas feiras da cidade.

A cidade fica a 140km de distância de Campo Grande. Os produtos produzidos pela grife de presidiarias D’Cela, vão para as feiras da própria cidade, e outras mais próximas. O projeto construiu um ateliê dentro das instalações do presidio. Depois de ensinar algumas detentas a costurar, os organizadores enxergaram um potencial de produção. “Costurando a liberdade com dignidade”, este é o lema do projeto que só procura ensinar as encarceradas que ao saírem uma nova vida é possível.

A Diretoria do presidio feminino afirma que 60% das 55 presas estão lá por envolvimento e trafico de drogas.

No mês de fevereiro as feiras de São Gabriel do Oeste começaram a vender alguns produtos feitos pela grife. Puxa sacos, bolsas, toalhinhas, porta-carregadores e “bate mãos” estão entre algumas das variedades oferecidas pela grife que vende suas mercadorias em preços variados, de R$ 10 reais até o produto mais caro, R$ 50 reais.

A organização do projeto completa que as peças são simples mais feitas com muita delicadeza e autoridade no assunto. Tudo no ateliê tem qualidade e beleza, afirmou um dos professores de costura da casa de detenção.

O projeto é feito através de uma parceria entre a 1° Varra de Execução, o Novo Conselho da comunidade e a Agência Estadual do Sistema Previdenciário (Agepen).

A organização também afirma que não fazem uso de verba publica. O projeto é autossuficiente pois as vendas das peças rendem lucro mais que o suficiente para manter a compra de materiais e o pagamento das detentas que trabalham 6 horas por dia de segunda a sexta. Cada uma delas recebe aproximadamente o valor de cerca de três quartos de um salario mínimo, independente das vendas.

Além das vendas e de estarem aprendendo novas formas de se adquirir autonomia profissional quando receberem liberdade, as mulheres também ganham remissão da pena. De acordo com a diretoria do presidio elas ganham 1 dia para cada 3 dias seguidos trabalhados.

Liliane Portioli, secretaria do novo conselho da comunidade afirma que no momento 4 presas participam do projeto.

 

 


De acordo com relator, até final de abril, reforma trabalhista deverá ser votada

No último dia 16 de março, o relator da reforma trabalhista, deputado Rogério Marinho do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB-RN), declarou que seu relatório deverá ser apresentado na metade do mês de abril e votado até o princípio de maio. Ainda segundo Marinho, “certamente” depois de passada a votação, o projeto deverá ser levado para a apreciação do plenário da Câmara dos Deputados. “Eu acredito que antes da Semana Santa, até o dia 12 ou 13 de abril a gente terá condição de apresentar o relatório completo da reforma trabalhista . Feito isso, tem aí pedidos de vistas, um novo prazo de emendamento, e devemos votar até o final do mês de abril, ou princípio de maio na comissão”, explicou ele.

Antes de participar de um encontro com empresários em São Paulo, Rogério Marinho afirmou também – “Há um pedido [para a que o plenário aprecie] mas, certamente logo após a votação, haverá um número suficiente de assinaturas para solicitar que seja apreciado pelo plenário da Câmara também”. Ele se mantém positivo e acredita que não haverá muita dificuldade para que o projeto tramite na Câmara pelo seu tamanho e dimensão.

É esperado pelo relator que até 500 emendas sejam apresentadas ao projeto até o encerramento do prazo para aditivos ao texto. Marinho defende a reforma e afirma que, se aprovada, a legislação estará – em suas palavras – “no espírito do nosso tempo”. Ainda de acordo com o relator da reforma trabalhista, a nova lei será saudável para o ambiente de negócios do país, principalmente, em momentos de dificuldades, quando ela servirá para preservar empregos. Conforme suas declarações, a lei, no momento de bonança, irá permitir “que haja a possibilidade que empresas possam bonificar, melhorar o ganho de produtividade dos seus funcionários”.

Opinião do relator em relação às manifestações

Rogério Marinho não se opõe às manifestações feitas contra as reformas do governo, como as que vem ocorrendo nos últimos dias, porém, classifica as pessoas que criticam o projeto como “mal-informadas” ou “contra por serem contra” – “O que eu tenho visto, ouvido, lido, daqueles que fazem crítica ao projeto eu dividiria em duas categorias: aqueles que são mal-informados, que não leram, ou que foram informados de maneira equivocada por outros, e aqueles que são contra por serem contra, ai não há o que fazer, não é racional a discussão”, destaca ele.


Dia Internacional da Mulher teve campanha da Mullen Lowe dirigida por José Henrique Borghi

Como se sabe no senso comum, o dia 8 de março é, reconhecidamente, o Dia Internacional da Mulher. Mas, apesar de comemorado em todo o mundo há várias décadas, a realidade de violência contra a mulher ainda continua bem atual e presente em vários países.

No caso do nosso país, estatisticamente, uma mulher é agredida a cada 15 segundos. E esse dado levou à criação de uma campanha feita pela Mullen Lowe, como ação especial para a revista CLAUDIA, pertencente ao Grupo Abril, e com a direção geral de criação por parte de José Henrique Borghi.

A cada 15 segundos uma nova agressão covarde

Essa campanha com duração de exatos 15 segundos, além de ter contado com uma equipe séria, todos eles sob a direção de José Henrique Borghi, baseou-se num estudo, também muito sério, realizado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso). Essa instuição não limitou-se apenas ao Brasil, mas a 83 países no total. Na época, mais precisamente o ano de 2015, ficamos com o 5º lugar quanto ao assassinato de mulheres.

Ainda sobre esse mapa da violência em específico, divulgado em 2015, é sabido que a já referida posição de 5º no ranking de homicídios de mulheres, então representa, em números, um total de 4,8 assassinatos para cada 100 mil mulheres.

E mais ainda pode ser dito, já que, segundo a ONU Mulheres, estatisticamente, além de uma mulher brasileira sofrer agressão física a cada 15 segundos, para piorar, a cada uma hora e meia, uma vítima desse tipo de violência acaba morrendo.

A campanha dirigida por José Henrique Borghi como Skip Ad do YouTube

Baseado então nessa questão de uma nova agressão a cada 15 segundos e coincidido o referido intervalo de tempo com o que é dado às propagandas no YouTube de tipo Skip Ad, que a Mullen Lowe Brasil resolveu criar essa impactante campanha.

Para uma campanha da Revista CLAUDIA (Editora Abril), no YouTube, e numa situação em que o usuário pode pulá-la após 5 segundos, a Mullen Lowe Brasil confiou a parte de criação sob a direção de José Henrique Borghi, que terminou por fazer esse trabalho bastante útil e bem pensado.

Como trata-se de um vídeo bem simples, resumi-lo também torna-se fácil. Basta dizer que os 15 segundos desse Skip Ad que se tem no YouTube, para quem assiste, tornam-se 15 segundos de uma dolorosa contagem. Os segundo vão passando e o tempo para impedir que uma outra mulher seja agredida vai acabando.

No caso, a contagem regressiva para uma nova agressão, além de servir para a conscientização dessa realidade de violência contra mulher, que apresenta estatística tão lamentável, também estimula as pessoas a denunciarem situações do tipo.

E como em toda campanha publicitária, essa que foi dirigida por José Henrique Borghi e voltada para o Dia Internacional da Mulher, também contou com uma estratégia de mídia segmentada. É que a veiculação da mesma foi mais voltada para o público feminino, já que esse tipo de escolha é possível quando se trata de propagandas em sites de internet como os do Google e do Facebook.

Vale lembrar que a denúncia pode partir tanto das próprias mulheres agredidas ou então de terceiros que estiverem cientes destas, assim evitando-se novas agressões ou até homicídios.

 


Museu do Amanhã vence premiação em Cannes

museudoamanha

 

Cannes, cidade do sul da França é uma cidade mundialmente conhecida por sediar uma série de festivais e premiações tais como MIPIM Awards, ocorrido no dia 16 de março de 2017. O Rio de Janeiro tem muito a comemorar, pois na categoria de “construção verde mais inovadora”, umas das cinco categorias da premiação, o vencedor foi o edifício Museu do Amanhã, museu construído no município do Rio de Janeiro.

O MIPIM AWARDS

O MIPIM (Marché International des Professionnels d’Immobilier) AWARS é um dos mais importantes eventos do meio imobiliário, criado no início dos anos 90, mas estabelecido e estabilizado só no fim dos anos 90 e início dos anos 2000. Hoje conta com outras cinco categorias sendo elas, centros de negócios, centros comerciais, edifícios de escritórios renovados, empreendimentos residenciais e empreendimentos turísticos, e ocorre durante quatro dias durante o mês de março anualmente.

Além da premiação, o MIPIM oferece uma série de conferencias e exibições no ramo da arquitetura e construção civil. A edição 2017 atendeu aproximadamente 23 mil pessoas, entre elas 1500 arquitetos, 4800 investidores vindos de aproximadamente 90 países.

Construção Verde Mais Inovadora

Concorrendo como finalistas nesta categoria, além do vencedor Museu do Amanhã, estavam a sede da Siemens, em Munique, a sede da Värtan Bioenergy, em Estolcomo e o Edifício residencial 119 Ebury Street em Londres.

 

Museu do Amanhã

Projeto pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava, construído na região Portuária sobre a Baía de Guanabara. A construção concebida pelo grupo Roberto Marinho custou cerca de 230 milhões de reais.

Como características “verdes” o Museu do Amanhã conta com placas fotovoltaicas para a captação e energia e usa a água da baia de Guanabara no sistema de refrigeração do local. Além disso a construção do edifício ajudou a revitalizar uma imensa área da região que era considerada desperdiçada e abandonada.

Além de revitalizar a região e usar opções ecologicamente corretas, o museu é referência mundial em tecnologia e na imersão que é capaz de proporcionar durante as exposições ocorridas no mesmo.

O prêmio pela categoria “Construção verde mais inovadora”, foi recebida pelo vice-presidente do grupo Roberto Marinho e responsável pela concepção do Museu do Amanhã, José Roberto Marinho em Cannes na França.

 

 


Incidente aéreo no aeroporto do DF

Conforme publicado em site do g1(27/02/2017), um avião da Latam precisou arremeter enquanto pousava no aeroporto do DF. O fato foi registrado por um passageiro do voo JJ3313 que havia partido de Natal às 16h22 com previsão de chegada em Brasília às 19h06. Segundo o passageiro o piloto teria dito que precisou arremeter porque outra aeronave teria lhe impedido de realizar o pouso. O Airbus precisou sobrevoar o DF por 15 min para então pousar.

Latam

Conforme a Latam, o fato teria ocorrido em função das “condições climáticas adversas no aeroporto”. A empresa Informou que o procedimento utilizado pelo piloto é padrão de segurança na aviação e que o pouso aconteceu em seguida sem nenhum problema.

Arremeter é comum nos aeroportos?

Conforme a empresa Inframerica, administradora do aeroporto de Brasília, arremeter é um procedimento bastante comum e costuma ser utilizado por diversos motivos, dentre os quais estão os fatores climáticos e necessidade de reposicionamento de outra aeronave em solo.

O funcionário público Igor Pontes, passageiro da aeronave e autor do vídeo, argumenta que erros deste tipo não deveriam acontecer pois coloca em risco a segurança de muitas pessoas.

Este não foi um incidente isolado no JK

Outros incidentes já aconteceram no aeroporto do DF. Em função disto, a FAB já precisou proibir decolagens simultâneas no local. Isto aconteceu logo depois de dois casos de quase colisão de aeronaves terem sido relatados neste aeroporto em um período de nove dias, conforme noticiado pelo g1 em 04/03/2016. Um dos casos teria envolvido aviões da Avianca e da Gol e nos dias 23 de fevereiro e 2 de março.

O piloto da Avianca teria recebido carta de voo instruindo para que, ao decolar da pista direita, virasse em seguida a direita. O piloto da outra aeronave, pertencente à Gol, conforme carta de voo recebida, deveria decolar da pista da esquerda, seguir reto e então virar à esquerda logo que alcançasse o “kotvu”, que seria a 18,5km de distância. Conforme relatos, o piloto teria virado para a direita logo após a decolagem. A carta de voo é um documento de saída padrão recebida por todos os pilotos e descreve as instruções da rota a ser seguida.

Apesar de ter sido declarado que arremeter seja um procedimento padrão, é importante termos ciência de que os órgãos responsáveis pela fiscalização dos voos estão atentos e que, caso alguma irregularidade aconteça, investigam a fundo para solucionar o problema, mesmo que para isto tenham de tomar algumas atitudes não muito “simpáticas” como a FAB tomou proibindo decolagens simultâneas até apurar devidamente os fatos.

Maiores informações podem ser obtidas clicando aqui.


Saiba mais sobre a mediação de disputas empresariais, por Ricardo Tosto

O excesso de demandas faz com que a justiça acumule uma grande quantidade de processos e os trâmites demorem muito tempo para chegar ao fim, o que acaba por impactar as partes envolvidas. De acordo com o CNJ (Conselho Nacional de Justiça), cerca de 100 milhões de causas aguardam um desfecho no Brasil. Uma solução considerada pioneira promete desafogar os tribunais. Trata-se da mediação de disputas, uma maneira mais ágil de se solucionar diversos tipos de questões jurídicas. A versão digital do serviço já existe e é ainda mais veloz e econômica, destaca Ricardo Tosto.

A possibilidade de redução de custos tem animado o segmento, explica o advogado Paulo Guilherme de Mendonça Lopes, membro do escritório Leite, Tosto e Barros. Segundo ele, há uma estimativa de no mínimo 2 anos para que um processo seja finalizado, período que pode ser acelerado ao se empregar a mediação. Roberto Pasqualin, da advocacia PLKC ressalta, contudo, que há a necessidade que os profissionais disponíveis para atuação nesses casos tenham o preparo acadêmico adequado para a função, noticia o advogado Ricardo Tosto.

Para José Na tala Bádue Freire, da Peixoto e Cury advogados, os administradores de empresas têm percebido a relevância de uma boa gestão de atritos dentro do ambiente corporativo, uma vez que poderá trazer benefícios no que se refere ao clima organizacional. Ele afirma que a longo prazo os benefícios começarão a surgir. Freire, assim como outros advogados, defende uma eficaz capacitação para os colaboradores que terão a responsabilidade de aplicação das atividades mediadoras dentro das organizações, informa o gestor da Leite, Tosto e Barros, Ricardo Tosto.

Paulo Lopes, que também é presidente da Comissão de Mediação da OAB-SP, percebe uma relutância por parte dos empresários quanto ao uso do serviço para os casos onde as chances de litígio existem. Ele acredita, no entanto, que há uma forte tendência de que essa situação se modifique em breve. O empresariado critica os valores das mediações, o que tem motivado muitas ações a fim de baixá-los a um patamar mais acessível, ressalta o advogado.

Marcelo Valenzuela, profissional que se ocupou da idealização da eConciliador, uma plataforma especializada nesse tipo de prática, enfatiza a questão da celeridade nos processos. Citando a possibilidade de alguns casos terem sua finalização em apenas cinco minutos, ele cita a vantagem de se utilizar o mecanismo Online Dispute (ODR), onde as partes não precisam se encontrar. Conforme Valenzuela, a atual realidade brasileira requer tal modalidade de serviço, pois a demora na solução das pendências representa maiores gastos também para a justiça, reporta Ricardo Tosto.

Roberto Pasqualin relembra a criação da lei 13.140/2015 como instrumento de estímulo para que a mediação atenda uma esfera mais significativa de casos. A idoneidade é um fator imprescindível para que o andamento das questões atinja os objetivos esperados, bem como o treinamento correto de novos profissionais envolvidos, pondera o advogado. Ele ainda destaca que as empresas privadas devem ter a mesma postura que se espera das públicas, pois a transparência não deve, em nenhum momento, deixar de existir, ressalta o representante da Leite, Tosto e Barros, Ricardo Tosto.

 


Como escolher os óculos de sol perfeito para o seu rosto

oculos escuros 2

Não importa a estação do ano! Utilizar óculos de sol deixa qualquer visual muito mais bacana. Eles nos deixam mais bonitos, confiantes e ainda por cima dão muito mais conforto. Mas, você sabe como escolher o modelo ideal de óculos de sol?

Na hora de escolher um modelo de óculos de sol, muitas vezes cometemos erros graves sem nem ao menos nos darmos conta disso. Algumas vezes acabamos pegando o primeiro modelo que nos agrada, sem nem mesmo pensar a respeito e somente depois percebemos que não combinou em nada. Ou, por vezes, não nos importamos em olhar se ele tem realmente a proteção UV ideal. Enfim, para ajudar você nessa deliciosa escolha, separamos algumas dicas infalíveis que vão te fazer acertar em cheio no melhor modelo de óculos de sol.

Observe se o modelo garante proteção contra raios UV

Sim. Mais do que simples acessórios de moda ou um item para facilitar a visão durante dias ensolarados demais, os óculos de sol precisam ter uma proteção contra raios UV. Isso porque quando colocamos os óculos, nossos olhos tendem a abrir mais as pupilas devido ao escurinho que proporcionam, aí os raios ultravioleta podem entrar na retina e fazer um estrago irreversível aos olhos.

Escolha o estilo ideal

Vale a pena investir em óculos de sol de qualidade e que durará muitos anos. Por isso mesmo não compre por impulso pensando somente no agora. Pense em que situações usará o óculos, se na praia, nos momentos de lazer ou quando está dirigindo voltando do trabalho. Escolha um modelo que se adapte bem a todas as situações. Lembre-se de escolher um modelo com lentes em formato de coração não se sentirá muito à vontade em utilizá-lo em frente ao seu chefe!

Aposte nos modelos coringas, nos clássicos. Armações do tipo aviador costumam combinar com quase todos os estilos de óculos. E os com formato de gatinho estão super na moda e dão um ar sensual ao look!

Formato de rosto

O formato do seu rosto é quem ditará o modelo ideal. Para assegurar de que fez a escolha certa, olhe no espelho e perceba os seguintes detalhes:

Tamanho: óculos grandes demais, que passam da largura do rosto não são os ideais. Além de se tornarem desconfortáveis com o uso, pois estão grandes, farão seu rosto parecer menor do é. E quando a armação fica menor do que o rosto, o problema é inverso. O rosto vai parecer grande demais. Opte por modelos que se adaptem perfeitamente à largura do seu rosto.

Cor da armação: Não parece importante, mas é. A cor da sua pele combina melhor com um tom ou outro. Você só vai ter a certeza se provar diferentes armações.

Cor da lente: Lentes espelhadas, coloridas, marrons, em degradê ou totalmente pretas. As opções são muitas. Vale o bom senso para escolher aquela que mais se adapta ao seu estilo.

E a dica final é sempre levar alguém com você quando for escolher. Uma segunda opinião pode te salvar de uma compra por impulso.

Veja mais aqui

 


Abelhas adestradas: O curioso caso das abelhas que podem ser treinadas como eternas aprendizes

abelha

A natureza por vezes pode nos surpreender por meios incríveis e inigualáveis. A descoberta da vez, diz respeito a um pequenino inseto muito conhecido por ser um importante agente polinizador – a abelha.

Um estudo realizado por cientistas na Universidade Queen Mary na Inglaterra, comprova que, a abelha é capaz de observar e aprender de outras espécies se for necessário. O estudo teve como cenário uma plataforma com uma pequena bola amarela, que deveria ser movida de um lado para o outro do experimento. As abelhas observavam o movimento que deveria ser feito e recriavam o exercício. Aquelas que concluíam a atividade de acordo com o modelo assistido, recebiam uma pequena, mas significativa recompensa: uma gota de água com açúcar. O resultado? As abelhas aprenderam a movimentar a pequena bola para conseguir a recompensa.

Em outro cenário, as abelhas assistiram de camarote outras espécimes levando a bola até o centro da plataforma. Este exercício por sua vez, revelou algo surpreendente: As abelhas não só imitaram o movimento dos modelos estabelecidos, como também otimizaram os resultados. As abelhas assistidas por elas, carregavam um tipo de bolinha maior, enquanto as que assistiam os movimentos optaram por carregar uma pequena bola, mais fácil de ser administrada. Isso revela uma impressionante eficácia desses pequenos seres de cérebro miúdo e fantástico: A habilidade de aprender e imitar quando passam por algum trauma em seu habitat. Em outras palavras, se a abelha se sentir coagida e sentir a necessidade de água e comida fora de seu ambiente, ela é perfeitamente capaz de aprender com outros animais, maneiras eficazes de conseguir alimento.

Olli Loukola, um dos cientistas que participou da pesquisa, concedeu uma entrevista interessante para o site VEJA explicando um pouco do experimento:

“As abelhas tinham visto, no movimento demonstrador, os insetos moverem a bola mais difícil, mas elas moveram a bola mais fácil. Isso significa que as abelhas não simplesmente copiaram a demonstração, mas melhoraram a técnica ou a estratégia observada. O fato de ter resolvido o problema de maneira diferente mostra uma impressionante flexibilidade cognitiva da espécie.”

Ainda explicando sobre a capacidade incrível das abelhas como eternas aprendizes, Olli Loukola finaliza:

“A capacidade cognitiva para resolver tarefas complexas provavelmente ajudará a sobreviver em ambientes em constante mudanças. Por exemplo, as abelhas podem aprender novas técnicas de fuga apenas observando outras.”

Isso só comprova o quanto a natureza continua a nos surpreender – Seja pela maestria de seus pequenos animais ou pelo brilhantismo de seus gigantes.

 

Fonte

 


Marcio Alaor, do BMG, noticia sobre a reeleição de Roberto Azevêdo na OMC

O embaixador brasileiro Roberto Azevêdo acaba de ser reeleito pelo Conselho Geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), principal órgão regulamentador do comércio exterior, para o seu segundo mandato na função de diretor geral da organização, informa Marcio Alaor, executivo do Grupo BMG. O segundo mandato consiste em um período de quatro anos, tendo início a partir de 1º de setembro de 2017.

Em uma nota oficial divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores, consta a informação de que Roberto Azevêdo era o candidato único, o que demonstra o grande reconhecimento que os países membros da OMC possuem pelo trabalho que vem sendo desenvolvido desde o ano de 2013 pelo Diretor-Geral Roberto Azevêdo. Em sua conta oficial no Twitter, o presidente Michel Temer parabenizou o embaixador e desejou “votos de êxitos e felicidades” para essa nova etapa.

Entre os principais destaques do primeiro mandato de Roberto Azevêdo na organização estão o encerramento nas negociações do Acordo de Facilitação de Comércio (AFC), o primeiro acordo multilateral já celebrado pela instituição, noticia Marcio Alaor, do Grupo BMG. No ano de 2015, a OMC conseguiu ainda negociar um acordo histórico para o fim dos subsídios dados à exportação de produtos agrícolas, acordo este que foi finalizado durante a Conferência Ministerial de Nairobi.

Roberto Azevêdo é nascido na cidade de Salvador e formado pelo curso de Engenharia Elétrica da Universidade de Brasília (UNB). Desde cedo, optou por seguir carreira diplomática entrando no Itamaraty no ano de 1983. Com o passar dos anos, ele se tornou especialista em comércio exterior, e desde 2008 exercia o cargo de representante do Brasil dentro da Organização Mundial do Comércio, atuando como uma espécie de “negociador-chave”, reporta o executivo Marcio Alaor, do BMG.

Recentemente, no início do mês de fevereiro, o Brasil utilizou o fórum internacional da OMC para apresentar um pedido de consultas ao Canadá relacionado aos subsídios concedidos pelo país à nova linha de jatos C-Series que pertencem a empresa Bombardier, que é uma das maiores concorrentes da marca brasileira Embraer. Esse pedido de consultas foi elaborado de acordo com o Sistema de Solução de Controvérsias da OMC.

A abertura de um pedido para a solução de controvérsias é a primeira etapa dentro do protocolo que envolve um processo na OMC. Através ele, o governo brasileiro solicitou alguns esclarecimentos do governo canadense sobre o tema. Caso as respostas não sejam esclarecedores, o Brasil pode optar por dar prosseguimento ao processo, informa Marcio Alaor, do BMG.

De acordo com o Itamaraty, porta-voz oficial do governo brasileiro para assuntos relacionados ao comércio internacional, a empresa canadense Bombardier recebeu mais de US$ 2,5 bilhões em subsídios do governo do Canadá, para assim conseguir colocar a sua nova linha de aviões à venda no mercado internacional com preços reduzidos de forma artificial, o que por sua vez, prejudica as concorrentes desse meio, como a Embraer. Por essa razão, o Itamaraty declarou esperar que essa consulta feita dentro da OMC esclareça essa questão apresentada, relata o executivo do Grupo BMG, Marcio Alaor.